Indicadores da saúde ocupacional na Petrobras

20080905101333_dr_mauricio_elias10090x90Dr. Maurício Elias, mestre em Saúde Coletiva, médico do trabalho e responsável pelo processo de geração de indicadores corporativos de saúde da Petrobras, iniciou sua palestra ressaltando a importância da existência de um Comitê do SD2000, do qual é o coordenador, constituído por representantes de todos os subsistemas do software e pela Glauco Tecnologia.

Em seguida, o médico afirmou que o SD2000 oferece recursos avançados para tratar coletivamente os dados registrados nos prontuários de saúde dos empregados, contemplados no módulo de Gestão de Indicadores, os quais são gerados na filosofia Business Intelligence (BI).

Dr. Maurício salientou que a gestão de indicadores de saúde tem por finalidade gerar automaticamente os coeficientes de incidência e de prevalência, em nível corporativo da Petrobras, permitindo a consolidação, análise crítica e divulgação das informações, bem como a estratificação dos índices gerados por variáveis definidas e a disponibilização de listagens dos empregados que constituem o universo de cada indicador.

“Dessa forma, será possível, a partir da análise crítica das informações, diagnosticar a realidade e orientar a política e as ações, objetivando melhorar os perfis de saúde da empresa”, destacou.

Continuando o relato do processo de geração dos indicadores de saúde, Maurício Elias disse que o coordenador do PCMSO de cada unidade de negócio pode desdobrar os indicadores gerados corporativamente, extraindo os dados da sua unidade, com listagens e gráficos.

Para dar uma visão mais concreta, de como é desenvolvido o trabalho de análise crítica dos indicadores de saúde, o médico exemplificou: se tomarmos o indicador de prevalência das pessoas com obesidade (IMC>30), estratificarmos essas pessoas por gênero, por faixa etária e/ou as confrontarmos com os universos de pessoas com sedentarismo, com hipertensão, com hipercolesterolemia ou fumantes, ou as distribuirmos pela estrutura organizacional, vamos visualizar, nos perfis de cada variável, as pessoas com o IMC>30.

“E caso, seja recomendável, pela análise crítica, implementar um programa de alimentação saudável, poderemos reduzir o número de obesos, de hipertensos, de diabéticos e termos menos gente com problemas coronarianos”.