Leis e normas

Afastamento do trabalho: conheça 10 principais doenças recorrentes

Algumas doenças — sejam elas causadas em decorrência do trabalho ou não — ocasionam afastamentos, que, por sua vez, trazem prejuízos e comprometem a produtividade na empresa. Para prevenir e tratá-las, a conscientização é essencial e ela deve partir tanto dos colaboradores, quanto da empresa.

Confira, a seguir, quais são as principais causas de afastamento do trabalho e qual o papel dos profissionais da saúde ocupacional na prevenção delas!

Quais são as principais causas de afastamento do trabalho?

Diversos fatores podem causar doenças que causam afastamentos nas empresas. Da mesma forma, existe uma variedade de patologias que são motivos do alto índice de absenteísmo. Entre as principais podemos citar:

1. Dor nas costas

As dores nas costas, que incluem problemas na coluna, configura entre as principais causas de afastamento do trabalho. O motivo, normalmente, são problemas relacionados à ergonomia — seja para trabalhos realizados em escritório (que envolve postura), seja para trabalhos no processo produtivo (carregando peso de forma inadequada, por exemplo).

2. Lesões no joelho

As causas podem estar relacionadas a sedentarismo, doenças genéticas, trabalhos em escritórios (em que se passa muito tempo sentado), obesidade e carregamento de peso de forma inadequada. Em casos mais graves, pode ser necessário fazer cirurgia e acompanhamento com fisioterapia, o que aumenta o período de afastamento.

3. Hérnia inguinal

Acomete mais homens do que mulheres e não necessariamente está ligada a problemas no ambiente de trabalho — o que faz com que o empregador não tenha meios de elaborar planos de prevenção. Porém, ainda assim, esse problema possui um índice alto de afastamento do trabalho.

4. Depressão e estresse

Cobranças excessivas por resultados satisfatórios, frustração profissional, problemas familiares e condições de trabalho inadequadas, por exemplo, são alguns dos motivos que causam estresse e depressão.

Em alguns casos os sintomas podem ser físicos, apresentando dores de cabeça, dor nas costas, fadiga, insônia e gastrite — o que pode causar confusão e fazer com que as pessoas acreditem ter outros problemas. O tratamento requer acompanhamento médico e o afastamento pode chegar a meses, dependendo do quadro clínico que o colaborador apresenta.

5. Mioma

É bem comum e acomete cerca de 80% das mulheres em idade fértil. Porém, os casos que levam a afastamentos são aqueles em que os sintomas atrapalham a rotina e aqueles em que a colaboradora precisa de cirurgia para remoção.

Porém, ainda assim, não são todos os casos que precisam ser tratados (os médicos recomendam apenas situações em que os sintomas já se manifestaram). O acompanhamento anual com um ginecologista, incluindo consulta e exames, é essencial para identificar e monitorar esse problema.

6. Varizes

É um problema que acomete mais mulheres do que homens e pode ter diversas causas. No ambiente de trabalho, o uso frequente de salto alto, longos períodos sentada e a compressão causada pela utilização de calças justas pode provocar ou mesmo agravar os casos de varizes.

7. Doenças do coração

Problemas do coração podem estar ligados a condições genéticas, má alimentação e sedentarismo. O estresse no ambiente de trabalho pode ser um agravante, que, inclusive, também pode provocar hipertensão.

8. Hemorragia no início da gravidez

Nem sempre o sangramento no início da gestação indica algum problema com o feto. Porém, o médico pode diagnosticar como sendo o início de um aborto, gravidez ectópica ou alguma patologia do útero. Quando se trata de algum problema do tipo, o afastamento pode ocorrer, principalmente, para que a gestante faça repouso ou como parte do tratamento, evitando maiores complicações.

9. Câncer de mama

Essa doença também está na lista de enfermidades que mais afastam trabalhadoras e pode ser causada tanto por condições genéticas, quanto por um estilo de vida inadequado. Muitas campanhas são realizadas para conscientização sobre a importância do autoexame e o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura.

10. Problemas urológicos

Problemas urológicos acometem homens e mulheres e podem estar relacionados à incontinência, infecção urinária e pedra nos rins, por exemplo. Apesar de em menor número, esse tipo de doença também causa afastamento do trabalho — no caso de inflamação da bexiga (cistite) e da pedra nos rins, por exemplo, o funcionário pode mesmo ter que passar por cirurgia, o que aumenta o tempo de afastamento.

Apesar da ideia (errônea) de que urologia é uma especialidade masculina — assim como o ginecologista atende mulheres —, o médico atende ambos os sexos. A diferença é que no caso dos homens ele trata tanto os órgãos do trato urinário, quantos os genitais, enquanto nas mulheres o tratamento é somente para os órgãos urinários.

Qual é o papel do profissional de saúde ocupacional na prevenção dessas doenças?

A empresa pode — e deve — exercer um papel ativo na prevenção de doenças decorrentes das funções e do ambiente de trabalho dos colaboradores. Nesse sentido, algumas ações podem ser tomadas, como:

  • Realização de ginástica laboral diariamente, ensinando exercícios de alongamento que, além de ajudar a iniciar o trabalho de maneira mais disposta, servem para incentivar os movimentos nos intervalos, evitando longos períodos sentados ou lesões em decorrência da atividade realizada;

  • Treinamentos de ergonomia, orientando sobre a postura adequada, a forma correta de abaixar e carregar pesos, entre outras coisas;

  • Fornecimento das ferramentas e equipamentos adequados para a realização das atividades;

  • Palestras para conscientização a respeito de alimentação correta, hábitos saudáveis e a importância de realizar check-ups com o médico periodicamente;

  • Acompanhar e monitorar os afastamentos do trabalho, avaliando quais são as principais causas e qual a frequência em que eles ocorrem.

Qual a importância do acompanhamento e monitoramento dessas ocorrências?

O acompanhamento dos afastamentos, bem como a identificação das suas causas permite que a equipe de saúde ocupacional possa avaliar quais medidas podem ser tomadas para melhorar os processos e o ambiente de trabalho, na tentativa de reduzir as ocorrências de doenças e as ausências que elas causam.

Nesse sentido, é possível contar com softwares voltados para esse tipo de trabalho, otimizando o processo auxiliando no controle e análises dos problemas e nos programas criados para auxiliar os colaboradores.

Oferecer boas condições e ferramentas adequadas para os colaboradores, além de promover um ambiente mais agradável e seguro, ajuda a reduzir os índices de afastamento do trabalho. Porém, por mais que a empresa realize campanhas e promova a conscientização, as mudanças também devem ocorrer individualmente, com as pessoas adotando hábitos saudáveis e cuidando da saúde.

O que você achou desse artigo? Suas dúvidas a respeito de afastamento do trabalho foram esclarecidas? Aproveite os comentários para compartilhar as suas opiniões e participar da conversa!

Sobre o autor

portalglauco

Deixar comentário.

Share This